Este post também está disponível em: enEnglish

Já imaginou fazer cicloturismo na Europa? Até pouco tempo atrás nós nunca nem tínhamos pensado nessa possibilidade. As coisas mudaram quando conhecemos um ciclista austríaco no parque de Parma, cidade italiana onde moramos, que nos contou sobre a EuroVelo, um conjunto de ciclovias com mais de 70 mil km de extensão que percorre TODO o continente europeu. A EuroVelo é formada por 15 rotas e atravessa 42 países, tornando uma viagem de bicicleta pela Europa, não apenas possível, como fácil.

Nós em Ferrara, na Itália, durante a nossa primeira experiência com cicloturismo na Europa

Nós em Ferrara, na Itália, durante a nossa primeira longa viagem de bicicleta juntos

A rede de ciclovias começou a ser desenvolvida na década de 1990, através de uma parceria entre a European Cyclists´ Federation (ECF), a britânica Sustrans e a holandesa Frie Fugle, todas organizações ligadas ao cicloturismo na Europa. Alguns trechos ainda estão inacabados, mas a previsão é de que todas as ciclovias estejam finalizadas em 2020.

Até lá, é importante escolher o seu percurso de acordo com suas habilidades, já que algumas EuroVelos possuem ótima infraestrutura e podem ser percorridas por qualquer pessoa, enquanto outras exigem um pouco mais de experiência e organização.

Cicloturismo na Europa: qual EuroVelo escolher para a sua viagem?

Mapa das rots da Eurovelo para o seu cicloturismo na Europa

Mapa das rotas da Eurovelo. Fonte: Eurovelo

Como explicamos, a EuroVelo compreende 15 rotas – EuroVelo 1, EuroVelo 2, EuroVelo 3 e assim por diante. Cada uma delas te leva para conhecer países, culturas, histórias e sabores diferentes.

Decidir qual percurso pedalar, vai depender dos seus interesses, tempo de viagem, ponto de partida, entre outras coisas. No site da EuroVelo, você encontra mapas e informações sobre cada uma das rotas e o site tem versão em inglês, francês e alemão.

De qualquer forma, vamos mencionar aqui algumas dessas ciclovias, explicar quais são mais fáceis, as com melhor infraestrutura, as que compreendem mais pontos históricos e etc, para deixar ainda mais fácil escolher qual delas percorrer durante o seu cicloturismo na Europa.

Nossa viagem pela EuroVelo 8, a Rota Mediterrânea

Em Parma, um dia antes de começar nossa viagem de bicicleta pela Europa

Em Parma, nosso ponto de partida

A EuroVelo 8 também é conhecida como a Rota Mediterrânea e tem 5.888 km de extensão. Essa é uma das mais populares, pois sai da Espanha e vai até o Chipre, passando por 11 países, 23 pontos Patrimônio Mundial da UNESCO e visitando lugares famosos como Barcelona, Veneza, costa da Croácia e da Grécia.

Nós pedalamos um trecho da EuroVelo 8 durante a nossa viagem de bicicleta da Itália à Eslovênia. Saímos de Parma, norte da Itália, e passamos por Mantova, Ferrara, Veneza, Aquileia, Trieste, até chegarmos à costa eslovena. De lá, decidimos entrar e explorar a Eslovênia, ao invés de seguir para a Croácia, pela EuroVelo 8.

Imagem aérea do nosso cicloturismo na Europa

Em algum lugar no Veneto

Apesar da infraestrutura dessa rota não ser das melhores e de nós termos nos perdido em alguns pontos, gostamos bastante da EuroVelo 8, principalmente porque na parte italiana, ela beira o Rio Po e além de oferecer um cenário lindo, ela é praticamente plana.

Nossa viagem de bicicleta durou 45 dias e foi uma experiência inesquecível. Essa foi a primeira vez que a  fez cicloturismo e queríamos exatamente provar que não é preciso ser um ciclista profissional para se lançar em uma longa viagem de bike.

A “aventura” virou uma série de vídeos para o nosso Canal do Youtube e você pode assisti-los aqui (é só ativar a legenda em português) :

*Não esqueça de se inscrever no canal e nos contar o que achou 😉

Cicloturismo na Europa para quem gosta de história

Para aqueles que querem explorar a história do continente europeu, o site da EuroVelo indica as EuroVelo 3 e 5, que percorrem rotas de peregrinação famosas. Outra sugestão é a EuroVelo 2, uma ciclovia para quem quer conhecer algumas das principais capitais europeias, como Dublin, Londres, Berlim e Varsóvia.

Acampando na cidade de Ptuj na Eslovênia durante nosso cicloturismo na Europa

Acampando na cidade de Ptuj, na Eslovênia

Já aqueles que querem saber mais sobre a história recente da Europa, a EuroVelo 13, conhecida como a Rota da Cortina de Ferro, é uma ótima opção. Essa ciclovia é a mais longa de todas, com 10.400 km, percorrendo os 20 países que delimitavam a fronteira entre Europa Oriental e Ocidental.

Lembrando que quem decide o  roteiro é você, ou seja, quais países visitar, qual trecho, o quanto da ciclovia pedalar, quais distâncias percorrer e etc, fica a seu critério. 

A melhor rota para uma primeira viagem de bicicleta pela Europa

Tiago pulando na estrada durante nossa viagem de bicicleta pela Europa

Atenção!

Para quem quiser se aventurar pela primeira vez sobre duas rodas, uma boa opção é a EuroVelo 6, que liga o Oceano Atlântico ao Mar Negro. Essa rota tem uma das melhores infraestruturas, além de ser praticamente plana, já que percorre as margens dos rios Loire, Reno e Danúbio

Cicloturismo na Europa com a família

Outra dica bacana que o site da EuroVelo dá para quem quiser fazer uma viagem de bicicleta com crianças, é a rota 15, que vai beirando o Rio Reno, da Suíça à Holanda. Essa é a ciclovia com melhor infraestrutura e segundo o site, os 1.320 km de extensão são facilmente percorríveis durante o mês de férias escolares.

E por que fazer uma viagem de bicicleta?

Bicicletas recuperadas para o nosso cicloturismo na Europa

Com nossas bikes recicladas feitas na Cigno Verde, uma Cooperativa Social de Parma

Bom, como comentamos no início do texto, o cicloturismo é bastante novo para nós. Essa viagem da Itália à Eslovênia foi a primeira que fizemos juntos e a verdade é que ficamos tão apaixonados com a experiência que desde então temos tentado desmistificar um pouco a ideia que se tem sobre o assunto e encorajar as pessoas a tentarem.

Como explicamos na matéria que escrevemos para O Viajante, o que nos chama a atenção no cicloturismo é a possibilidade de interagir intensa e profundamente com o ambiente, já que não existem barreiras entre você e o local visitado.

Senhor pintando um quadro na cidade de Chioggia, na Itália

Em Chioggia, a “Pequena Veneza”, uma das paradas da nossa viagem pela Eurovelo 8

Além do mais, as bicicletas naturalmente atraem curiosidade e durante a viagem, muitas pessoas se aproximavam para puxar assunto, queriam em saber de onde vínhamos, para onde estávamos indo e etc.

Durante a nossa pedalada, conhecemos muitas pessoas e fomos inclusive convidados algumas vezes para dormir na casa de locais. Como somos adeptos de um turismo mais imersivo, o contato humano e a interação com a cultura local são primordiais pra gente; e a viagem de bike nos proporcionou isso como nenhum outro meio de transporte.

Acampando em Concordia Sagittaria na Itália durante o cicloturismo na Europa que fizemos

Acampando na pequena cidade de Concordia Sagittaria, uma das grandes surpresas da nossa viagem

A bicicleta também nos deu mobilidade para alcançar e explorar praticamente todos os pontos e por conta delas, conseguimos conhecer cantos maravilhosos, como grutas, lagos e cavernas que não estavam no roteiro. Sem contar que o cicloturismo é uma forma barata e saudável de viajar.

Acho que não precisa falar mais nada né?

E será que qualquer pessoa pode fazer uma viagem de bicicleta?
Tiago descansando à beira do Rio Po durante nossa viagem de bicicleta pela Europa

Recuperando o fôlego à beira do Rio Po, em algum lugar da Eurovelo 8

Siiim! Isso era uma das coisas que queríamos “provar” com a nossa experiência: que todo mundo pode fazer uma viagem de bicicleta. Nós não somos acostumados a pedalar, treinamos com três dias de antecedência, fomos no nosso ritmo, devagar e sempre, e chegamos onde queríamos.

Todo mundo deveria tentar o cicloturismo pelo menos uma vez na vida, simplesmente porque é possível. A Fê, que nunca tinha feito uma viagem dessas, tinha um medo enorme de se lançar em uma jornada de bike, achava que não tinha condicionamento físico, que somente ciclistas profissionais faziam coisas do gênero, que seria perigoso, e outros milhões de receios infundados. Ela precisou tentar para descobrir que nenhum deles era real e que, sim, ela era capaz de fazer uma longa viagem de bicicleta, assim como temos certeza que tantas outras pessoas também são.

Na cidade de Parlmanova com nossas bicicletas, durante o cicloturismo na Europa que fizemos

FIM! Na incrível cidade murada de Palmanova, nossa última parada da viagem.