Este post também está disponível em: enEnglish

Cicloturismo é algo novo para nós. Nunca tínhamos imaginado que um dia faríamos uma longa viagem de bicicleta juntos, muito menos pela Eslovênia, país que, sinceramente, há um ano nem sequer sabíamos onde ficava no mapa.

A natureza do Lago Bohinj refletida nas águas

O maravilhoso Lago Bohinj, na Eslovênia

where to buy Pregabalin in canada Viagem de bicicleta pela Eslovênia: de onde veio essa ideia

Em março de 2017, fomos ao ITB Berlin (International Travel Bureau), o maior evento de turismo do mundo. O ITB é incrível e gigantesco, com estandes de diferentes assuntos e países, produtos regionais, apresentações artísticas e tudo relacionado à cultura e/ou turismo no geral. É praticamente um giro pelo mundo, só que sem sair da capital alemã.

Em meio a tamanho festival, um destino se destacava: a Eslovênia. Essa, que é uma das mais recentes repúblicas européias (ganhou sua independência da Iugoslávia em 1997), era o principal patrocinador do ITB 2017, e por isso, a senha do Wifi era sobre eles (“IFeelSlovenia”), os brindes carregavam seu logo, as palestras faziam menção ao país… enfim, tudo nos lembrava – ou melhor, introduzia – à Eslovênia.

Pessoas no estande da Ausrália durante o ITB 2017, evento que nos deu a ideia de fazer cicloturismo na Eslovênia

Estande da Austrália durante o ITB 2017

Foi lá que descobrimos que a Eslovênia tinha sido eleita o país mais sustentável da Europa e que eles promoviam intensamente o turismo de aventura – particularmente o cicloturismo.

Meses depois, já morando na Itália, decidimos nos lançar em uma audaciosa expedição: nossa primeira viagem de bicicleta juntos. Tínhamos um mês de viagem e infinitas possibilidades de rota e foi aí que lembramos da Eslovênia, o pequeno país que tínhamos conhecido durante o evento em Berlim e que ficava a apenas 600 km de distância de Parma.

I Feel Slovenia

Nós em Parma, uma semana antes de começar a viagem de bike da Itália à Eslovênia

Nós em Parma, uma semana antes de começar a viagem de bike da Itália à Eslovênia

Antes da viagem, entramos em contato com a organização I Feel Slovenia, que por sua vez, nos conectou com a Hiking & Biking Slovenia, uma associação que promove cicloturismo na Eslovênia. Eles foram extremamente atenciosos conosco e desenharam todo um itinerário baseado nos tipos de bikes que tínhamos e nos nossos interesses.

source site Assista a todos os episódios dessa viagem no nosso Canal do YouTube!!

Cicloturismo na Eslovênia: nossa rota

  • Dia 1: Chegada em Koper (nós atravessamos a fronteira com a Itália, vindo da cidade de Trieste)
  • Dia 2: Visita a Caverna de Skocjan (35 km)
  • Dia 3: Visita a Caverna de Postojna e ao Castelo de Predjama (30 km).
  • Dia 4: Transfer até a cidade de Maribor, a segunda maior da Eslovênia (180 km. Como a distância era muito longa, o Hiking e Biking nos ofereceu um transfer!)
  • Dia 5: Maribor
  • Dia 6: Maribor
  • Dia 5: Visita a Ptuj (26 km)
  • Dia 6: Transfer até Ljubljana, a capital da Eslovênia (130 km. Mais uma vez, o Hiking & Biking nos providenciou um transfer).
  • Dia 7: Ljubljana
  • Dia 8: Ljubljana
  • Dia 9: Viagem até Krank (30 km).
  • Dia 10: Viagem a Bled (26 km)
  • Dia 11: Viagem a Bohinj (30 km)
  • Dia 12: Bohinj
  • Dia 13: Viagem a Kobarid (75 km)
  • Dia 15: Kobarid
  • Dia 16: Kobarid
  • Dia 17: Viagem a Brda, a Toscana da Eslovênia (50 km)
  • Dia 18: Brda
  • Dia 19: Retorno para a Itália, passando na cidade murada de Palmanova (26 km), de onde pegamos o trem de volta para Parma!

Infraestrutura eslovena para o cicloturismo

Tiago com sua bicicleta em Ljubljana, uma das paradas da nossa viagem de bicicleta pela Eslovênia

Tiago na capital da Eslovênia, Ljubljana

Entramos na Eslovênia depois de 2 semanas de pedaladas na Itália. Até então nossa experiência tinha sido maravilhosa, já que a Itália tem muita infraestrutura para ciclistas (ciclovias, sinalização e motoristas que respeitam a bike), mas a Eslovênia nos surpreendeu TANTO que fez a Itália parecer ainda despreparada para esse tipo de atividade.

Por que dizemos isso?

Além de ter boa sinalização e ciclovias espalhadas por todo o país, os carros da Eslovênia davam uma prioridade imensa para as bicicletas (muito maior do que na Itália). Nós nos sentíamos seguros pedalando até mesmo na estrada, com os carros.

No entanto, é importante ressaltar que não teríamos conseguido seguir o roteiro se não fosse pelo nosso GPS. Usamos o Maps.me um GPS que funciona offline e ele nos salvou de alguns apuros e caminhos errados. Ou seja, nem todas as rotas são bem sinalizadas, então fique atento e sempre que tiver dúvidas pergunte pras pessoas. Os eslovenos foram muito solícitos e todos pareciam conhecer as rotas propícias para bicicletas. 

Natureza na Eslovênia

Mais da metade da Eslovênia é coberta por florestas e a  natureza de lá é linda. A viagem de bicicleta é mais lenta e te dá tempo para observar e absorver o ambiente ao seu redor, sem contar que oferece mobilidade para explorar lugares fora da rota convencional. Nos enfiávamos em todos os lugares com as bikes e acabamos descobrindo cantos escondidos maravilhosos!

É fácil viajar de bicicleta na Eslovênia?

O lado negativo do cicloturismo na Eslovênia (pelo menos para quem não está muito acostumado – como nós), é que o país é bastante montanhoso e o percurso, por vezes, muito cansativo. A Eslovênia tem tantos “sobes” e “desces” que no final não conseguíamos nem vibrar em uma descida, já que a primeira coisa que vinha na nossa cabeça era “vai ter subida depois”!

O caminho e a vista eram lindos e compensava, mas tiveram algumas vezes em que o percurso era tão pesado que a Fê achou que não fosse conseguir.

Hospitalidade eslovena

Com o dono do estabelecimento que não dos deixou pagar pelo nosso café da manhã

Com o dono do estabelecimento que não nos deixou pagar pelo nosso café da manhã

Outro ponto que adoramos na viagem de bicicleta é a possibilidade de interação com os locais. Muita gente nos via chegando com as bicicletas cheias de bagagem e vinha puxar papo, perguntar para onde estávamos indo e etc e sempre acabava rendendo uma boa conversa.

Nós achamos os eslovenos bastante simpáticos e hospitaleiros. Durante nossa jornada pelo país, conhecemos muitas pessoas, ganhamos frutas de uma senhorinha, café do dono de um estabelecimento, fomos convidados para colocar nossa barraca no jardim de uma família e ganhamos até estadia gratuita em um hotel porque estava chovendo muito para acampar. Enfim, foram tantos os gestos de carinho dos eslovenos que saímos admirados com a receptividade local.

Precisa ser profissional para fazer uma viagem de bicicleta na Eslovênia?

Imagem aérea do interior da Eslovênia

Imagem aérea do interior da Eslovênia

Nop! Como falamos, foi a primeira viagem do tipo da Fê, além do mais, nossas bikes não eram profissionais, estavam pesadas e mesmo assim conseguimos realizar todo o percurso.

Fomos no nosso ritmo, sem pressa e respeitando nossas limitações. Foi uma experiência incrível e gostamos tanto que já estamos planejando a próxima para o ano que vem. O cicloturismo é uma maneira linda, gostosa e divertida de conhecer um destino e com certeza deveria ser mais divulgado.

Veja aqui o primeiro episódio dessa viagem de bike da Itália à Eslovênia! É só ativar a legenda em português 😉