BIT Milano: O que esperar do maior evento de turismo da Itália

Tasting at the Andalucia stand during the BIT Milan
Tasting at the Andalucia stand during the BIT Milan

This post is also available in: English

O BIT Milano (Borza Internazionale de Turismo) é a maior feira de turismo da Itália. O evento acontece desde o início dos anos 80 em Milão e reúne durante três dias profissionais ligados ao turismo e público geral. Estão presentes, guias e agências de viagem, ministérios do turismo, jornalistas, blogueiros e viajantes em busca de novidades para as próximas férias.

Diferentemente de outros eventos de turismo dos quais já participamos, como os gigantes WTM London (World Travel Market) e ITB Berlin (Internationale Tourismus-Borse), que são globais, o BIT é mais focado no mercado italiano. A feira de 2018, por exemplo, ocupou dois andares de um centro de convenções, sendo um deles quase que exclusivamente reservado para a Itália.

Estande das províncias italianas no BIT Milano, a maior feira de turismo da Itália
O primeiro andar da feira, todo dedicado às províncias italianas / Foto: Divulgação

Cada província italiana tinha seu próprio estande, separado por áreas: uma onde ficavam as agências de viagens, outra governamental com informações gerais sobre a região, uma área para reuniões, outra com espaço para anúncios para a imprensa, entre outras coisas. Alguns estandes, como o da Toscana, ainda contavam com um bar para degustação de produtos regionais. Já no segundo andar, estavam os expositores de todos os outros países e/ou assuntos.

Degustação no estande da Andaluzia, durante o BIT Milano
Degustação no estande da Andaluzia / Foto: Divulgação

O que esperar do BIT Milano

O que mais gostamos no BIT Milano foi que além da presença dos países ou regiões, o evento também reservou diversas áreas temáticas como:

– “A Bit of Taste”, totalmente dedicada ao turismo gastronômico;

– “Honey Moon and Wedding Destinations”, focada em destinos para casamentos e lua-de-mel;

– “Be Tech”, onde encontravam-se as startups de turismo. Esse foi de longe o espaço que mais exploramos e gostamos. Íamos pulando de expositor para expositor, escutando sobre cada produto, ideia, aplicativo ou inovação. Descobrimos por exemplo o WifiTravelersWifi, um wifi portátil que em teoria funciona em mais de 100 países. Ou o PEM, um aplicativo de celular que permite tirar fotos e instantaneamente enviá-las como cartão postal para qualquer endereço no mundo. Conhecemos também a Utopic, uma mídia social totalmente dedicada para viajantes, que podem criar roteiros e dividi-los com amigos ou outros participantes;

área dedicada às start ups de turismo durante o evento BIT Milano
Área dedicada às startups de turismo

– “Bit 4 Job”, onde estudantes e profissionais do turismo podiam encontrar oportunidades de trabalho, passar por entrevista com o RH da empresa ou até mesmo agendar um treinamento com um coaching no local. Como não estamos buscando emprego, não exploramos muito o “Bit 4 Job”, mas nos pareceu uma ótima oportunidade e vimos no primeiro dia de evento uma grande aglomeração de jovens profissionais.

Área para procura e oferta de trabalho durante o BIT Milano
Bit 4 Job

A feira de turismo além da Itália

Entre os estandes internacionais que mais chamaram a atenção estavam:

Os EUA, com mais de 100 tour operatours, uma área para apresentação de música folk e um restaurante servindo especialidades regionais (vulgo x-burger e cachorro-quente. É sério).

O Irã, que repetindo o sucesso do ITB Berlin, esteve presente com um grande número de agências de viagens. Faz tempo que cotamos este como um dos destinos mais atraentes e completos para qualquer viajante interessado em cultura, história, hospitalidade e paisagens bonitas. Se você está planejando uma viagem para o Irã, então corre antes que o mundo inteiro resolva ir pra lá e muito da originalidade iraniana se perca em meio ao boom turístico.

Fernanda em frente à uma ruína em Pasargada, no Irã, país que se destacou durante o BIT Milano
A Fê em Pasargada, no Irã, um dos nossos países favoritos

A Tailândia, que ofereceu atividades culturais bacanas, como um karaokê que ensinava a pronunciar palavras no idioma local.

Dos países africanos, os que mais se destacavam eram o Egito, a Etiópia (que deve ser um dos nossos destinos de 2018) e Botswana, com várias opções de safári.

Viagem sensorial para deficientes visuais

Um dos expositores que mais gostamos de conhecer foi o Enrico Radrizzani, da Mimino Travel, um italiano que organiza viagens sensoriais para deficientes visuais. O Enrico dá preferência para destinos que ofereçam muitas texturas, contextos, cheiros e sabores e já realizou viagens para o Irã, Turquia e Zanzibar.

BIT Milano
BIT Milano

Para você ter uma noção do trabalho desenvolvido, ele passou um ano negociando com o Museu de Arqueologia de Teerã para que o grupo pudesse tocar nos artefatos expostos durante a visita.

Se ficou curioso para saber mais sobre esse projeto lindo, dá uma olhada nesse site onde pode encontrar vídeos das últimas viagens.

O Brasil na feira de turismo na Itália

O Brasil fez feio no BIT e nem sequer esteve presente. Rs. O único que esteve por lá foi o Estado do Ceará, com um espaço relativamente grande e colorido. O estande era um dos mais requisitados pois estavam dando brindes (um chapéu de palha e uma bolsa de praia) e as pessoas se amontoavam em filas eternas para ganhar algum dos dois. Chegou a ser cômico – pra não falar outra coisa – porque dava para perceber que as meninas que estavam trabalhando no estande não aguentavam mais a multidão e a fila não diminuia nunca. Rs.

Fizemos vários stories no Instagram, quem viu?!

A fila interminável para ganhar um chapéu ou bolsa de praia no estande do Ceará durante o BIT Milano
A fila interminável para ganhar um chapéu ou bolsa de praia no estande do Ceará

O BIT Milan para blogueiros

Você, blogueiro, deve estar se perguntando se vale a pena o investimento para participar do BIT Milano e a resposta é: depende. Para nós valeu sim, mas moramos do lado de Milão e não foi nenhum sacrifício nos deslocarmos até lá.

Como temos muito interesse em viajar pela Itália, também foi uma oportunidade de conhecer melhor as províncias italianas e inclusive dar início a possíveis parcerias futuras.

Pessoas na entrada do evento BIT Milano
Entrada do BIT Milano / Foto: Divulgação

O clima do BIT também é muito mais descontraído do que no ITB ou WTM, onde todos estão sempre com pressa e é preciso marcar reuniões com meses de antecedência se quiser a chance de falar com um representante de determinada região. No BIT tivemos bastante tempo para conversar com os expositores, conhecer diferentes projetos e startups e apresentar a proposta do Monday Feelings.

A Itália também parece muito à frente no quesito turismo sustentável, cicloturismo, slow tourism e viagem que valoriza a cultura e a comunidade local, assuntos que nos interessam bastante, como viajantes e blogueiros. Então nesse aspecto foi muito legal trocar experiências e informações com outros profissionais.

Pôr do sol na saída do BIT Milano
Pôr do sol na saída do BIT Milano

Se o foco do seu blog não tem nada a ver com nada disso que mencionamos acima, acho que vale mais a pena investir na participação de eventos internacionais maiores, como o WTM em Londres ou o ITB em Berlim.

A feira de turismo na Italia para turistas

Já para turistas, o BIT é uma ótima opção para pesquisar tendências, conhecer destinos menos convencionais, entrar em contato com diferentes culturas e ainda encontrar promoções para alguma viagem.

*Falando em turismo sustentável, sabia que recentemente fizemos uma viagem de bicicleta da Itália à Eslovênia que durou um mês e acabou virando uma série de vídeos para o nosso canal do Youtube? Veja aqui o primeiro episódio – legendas em português disponíveis – e não esqueça de se inscrever no canal! 😉