Viagem Pantanal: uma imersão pelo Pantanal Mato Grosso do Sul

Last updated:

This post is also available in: English

Organizar uma viagem para o Pantanal pode ser uma tarefa um tanto quanto complexa, pois as distâncias são enormes, há muito o que ver na região e quase não há informações confiáveis sobre o Pantanal na internet.

Esta última foi, aliás, uma de nossas grandes motivações para fazer turismo no Pantanal. Como jornalistas e fotógrafos trabalhando com turismo há sete anos, decidimos passar alguns dias explorando o Pantanal do Mato Grosso do Sul para poder escrever aqui um guia completo com todas as informações, dicas e curiosidades que você precisa para organizar a sua viagem Pantanal!

Viagem Pantanal Index

Entendendo o Pantanal: Pantanal Sul e Pantanal Norte

Vista aérea do Pantanal com áreas alagadas

Pouca gente sabe, mas o Pantanal é dividido entre Pantanal Norte, no Mato Grosso, e Pantanal Sul, no Mato Grosso do Sul. Então a primeira decisão que você tem que tomar é sobre qual dos dois visitar, pois infelizmente, eles não são conectados, e viajar entre um e outro de carro levaria um dia inteiro.

Acredito que para você estar lendo este texto, você já deve ter se decidido pelo Mato Grosso do Sul, né?

A nossa escolha foi pelo Pantanal sul matogrossense porque 65% do Pantanal fica no MS e a estrutura turística por lá é um pouco melhor do que a do Pantanal Norte.

Além do mais, queríamos emendar a viagem Pantanal com Bonito, que também fica no MS, então acabamos optando pelo Pantanal do Mato Grosso do Sul, que será o foco desse texto.

O que é o Pantanal?

pássaro no galho de uma árvore sem folhas solitária no pantanal

O Pantanal é simplesmente a maior planície inundável do planeta (o que não significa ser um pântano!). Basicamente, o Pantanal inunda uma vez por ano por conta de um longo período de chuvas, e fica completamente seco na outra metade do ano. É um ciclo muito peculiar que acontece todos os anos (por isso é tão importante decidir a época de visitá-lo).

O Pantanal ocupa vários distritos, dois Estados do Brasil, além de parte do Paraguai e da Bolívia e sofre influência de quatro biomas: Mata Atlântica, Floresta Amazônica, Cerrado e Chaco, então você encontra animais e vegetação de todos esses biomas no Pantanal. O mais famoso deles, com certeza é a onça pintada; mas mais abaixo a gente conta melhor onde e como ver onça no Pantanal!

Como chegar no Pantanal (Pantanal Sul)

Carro parado no acostamento da estrada com a via láctea no céu

A principal porta de entrada para quem vai fazer uma viagem para o pantanal sul é Campo Grande, capital do MS. Vindo de diferentes lugares do Brasil, você pode chegar em Campo Grande tanto de avião quanto de carro. Nós fizemos de São Paulo ao Pantanal de carro e levamos 16h, com parada para dormir em Presidente Prudente – veja onde dormir em Presidente Prudente aqui.

Para quem vem de avião, recomendamos demais alugar um carro no Pantanal, pois essa não é uma região muito acessível de transporte público. Para aluguel de carro, sempre utilizamos a Rental Cars, parceiros do blog, eles funcionam como uma ferramenta de buscas entre as principais locadoras do país e sempre trazem as melhores ofertas e modelos de carro. Faça uma cotação aqui!

No geral, não é necessário ter um carro 4×4 para essa viagem Pantanal, mas tudo vai depender das chuvas, então vale a pena dar uma confirmada na previsão do tempo antes de tomar a sua decisão (ou alugue um 4×4 porque vai que, né!).

De Campo Grande, você tem acesso às principais cidades do Pantanal Sul através da BR 262, como por exemplo, Aquidauana (141 km de distância), Miranda (210 km) e Corumbá (430 km). Tenha a documentação em dia e não beba para fazer este trajeto, pois além de ter a possibilidade de encontrar animais atravessando a estrada, há um posto policial próximo à Corumbá onde fazem bafômetro.

Mapa do Pantanal Sul

O mapa abaixo mostra exatamente onde fica o Pantanal em relação ao Brasil e também a rota que fizemos saindo de Campo Grande até Corumbá.

Mapa do Pantanal Mato Grosso do Sul
Mapa do Pantanal

Roteiro de viagem Pantanal

Jacaré com metade da cara para fora da água olhando para a camera

Montar um roteiro de viagem pelo Pantanal pode ser uma tarefa um pouco complexa, pois há muitas opções de passeios e trajetos e tudo vai depender do tempo que você tem para a viagem, do quanto está disposto a gastar e dos seus interesses.

Vamos te passar então QUATRO opções de roteiro:

– O 1 e 2 são para quem quer fazer uma viagem apenas pelo Pantanal;

– já o 3 e o 4 são para aqueles que querem aproveitar a viagem Pantanal para conhecer Bonito também (o Pantanal Mato Grosso do Sul é vizinho de Bonito!).

1 – Roteiro Viagem Pantanal (longo)

Ideal para quem tem pelo menos 1 semana de viagem pelo Pantanal.

Tuiuiu, o pássaro simbolo do Pantanal
Tuiuiu, pássaro simbolo do Pantanal

DIA 1 ao 3: Chegada em Campo Grande de carro, ou então aluga carro no aeroporto, e dirige até Corumbá (curtir a região por três dias):
1º Dia em Corumbá: Dirigir pela Estrada Parque;
2º Dia em Corumbá: Flutuação no Rio Paraguai Mirim;
3º Dia em Corumbá: Visita à Caverna La Cueva, em Montacusito, na Bolívia.
       *Hospedagem em Corumbá: Hotel Virgínia ou Hotel Nacional.

DIA 4 ao 6: Dirige até Miranda ou Aquidauana (cidades vizinhas) para curtir a região por três dias em uma típica fazenda pantaneira. Recomendamos as seguintes fazendas: Refúgio da Ilha ($$$), Fazenda Caiman ($$$) ou Fazenda Aguapé ($$).

DIA 7: No último dia, fazer uma mini-comitiva na Fazenda HiFish; e depois é hora de partir.

*Para quem tem um tempinho a mais e espírito aventureiro, recomendamos demais incluir a Serra do Amolar neste roteiro. A Serra do Amolar é a última fronteira do Pantanal, um lugar de rara beleza e praticamente intocado pelas mãos humanas. O ponto de partida para visitar a Serra do Amolar é Corumbá e chegar lá não é simples e nem barato por conta das distâncias e da falta de infraestrutura, mas vale muito a pena. Temos um texto todo dedicado à Serra do Amolar que você pode ler aqui (em breve).

2 – Roteiro Viagem Pantanal (curto)

Ideal para quem tem pouco tempo: 3 ou 4 dias

Peão pantaneiro tocando berrante em cima do cavalo

Neste caso o roteiro é como o de cima, só que cortaríamos a visita à Corumbá, que é mais distante e focaria apenas em uma hospedagem de 3 dias em uma fazenda pantaneira.

Ou seja:

Chega em Campo Grande, aluga o carro, e vai direto para uma hospedagem de 2 ou 3 noites em uma fazenda pantaneira em Aquidauana ou em Miranda.

Nós ficamos hospedados na Refúgio da Ilha e adoramos, mas escutamos falar muito bem da Caiman e da Aguapé também. Nessas fazendas é possível ter uma vivência geral da cultura pantaneira e cada dia você tem uma atividade inclusa na hospedagem, como avistamento de animais, cavalgadas, passeio de barco e etc.

3 – Roteiro Viagem Pantanal + Bonito (longo)

Ideal para quem quer fazer Pantanal + Bonito e tem pelo menos 15 dias de viagem.

Fernanda no meio da foto em cima de uma pedra dentro da caverna do mimoso com um lago de água azul cristalina no fundo
Caverna do Mimoso em Bonito

Faz o Roteiro 1 na íntegra, mas da fazenda pantaneira em Miranda ou Aquidauana, você vai até a Serra da Bodoquena. Abaixo colocamos para você o Roteiro 1 + Bonito completo para ficar mais fácil:

DIA 1 ao 3: Chegada em Campo Grande de carro, ou então aluga carro no aeroporto, e dirige até Corumbá (curtir a região por três dias):
1º Dia em Corumbá: Dirigir pela Estrada Parque;
2º Dia em Corumbá: Flutuação no Rio Paraguai Mirim;
3º Dia em Corumbá: Visita à Caverna La Cueva, em Montacusito, na Bolívia.
       *Hospedagem em Corumbá: Hotel Virgínia ou Hotel Nacional.

DIA 4 ao 6: Dirige até Miranda ou Aquidauana (cidades vizinhas) para curtir a região por três dias em uma típica fazenda pantaneira. Recomendamos as seguintes fazendas: Refúgio da Ilha ($$$), Fazenda Caiman ($$$) ou Fazenda Aguapé ($$).

DIA 7: Fazer uma mini-comitiva na Fazenda HiFish; e depois ir para Bodoquena.

DIA 8 ao 10: Serra da Bodoquena:
1º Dia na Serra da Bodoquena: Trilha dos Cânions dentro do Parque Nacional da Serra da Bodoquena com o Eco Serrana Parque;
2º Dia na Serra da Bodoquena: Visita e Trilha na Fazenda Boca da Onça
*Veja onde se hospedar em Bodoquena aqui.

DIA 11 ao 15: Aproveitar Bonito e suas muitas atrações (Sugestão de hospedagem: Hotel Marruá, Hotel Cabana ou Hotel Selina).

Partida.

4 – Roteiro Viagem Pantanal + Bonito (curto)

Ideal para quem quer fazer Pantanal e Bonito e tem somente 1 semana para a viagem.

O gado se aproximando da beira de um lago para beber água visto de cima
As famosas comitivas pantaneiras

DIA 1 ao 3: Chega em Campo Grande, aluga o carro e vai até Miranda ou Aquidauana ficar 3 dias em uma fazenda pantaneira (Indicamos: Refúgio da Ilha ($$$), Fazenda Caiman ($$$) ou Fazenda Aguapé ($$).

DIA 4 ao 7: Do Pantanal, segue direto para Bonito para aproveitar a cidade por 4 dias.

Onde se hospedar no Pantanal

Como já explicamos, o Pantanal se expande por muitos distritos e estados. Nos roteiro acima já indicamos algumas hospedagens para o seu turismo no Pantanal, mas aqui compilamos algumas sugestões de acordo com as cidades:

Onça no Pantanal

Onça no pantanal entrando na água
* foto fornecida pelo site Onçafari *

O Pantanal tem a segunda maior população de onças pintadas do mundo – perde apenas para a Amazônia. Ou seja, em teoria, só de se estar no Pantanal você já tem grandes chances de vê-las; só que na prática não é tão simples assim, pois esses bichos são extremamente tímidos e fogem ao menor sinal da presença humana.

Existe uma ONG chamada Onçafari que atua na preservação desses animais, principalmente na região de Miranda e de Aquidauana. A Onçafari possui sede nas Fazendas Refúgio da Ilha e Caiman, então teoricamente deveria ser mais fácil avistá-las nesses locais, mas como falei, ficamos hospedados na Refúgio da Ilha e não as vimos. (Por outro lado, escutamos que na Fazenda Caiman é praticamente garantia de encontrar uma onça durante os safáris, mas isso porque quase todas estão com colar de GPS).

Águia caçadora voando sobre o lago com um peixe nas garras
Um dos momentos raros capturados por nós!

Já na Serra do Amolar, que é considerado um lugar difícil de se ver onça pintada, no dia seguinte a nossa partida, o grupo que ficou para trás viu uma onça lindona (imagina a nossa frustração ao descobrir que por um dia não conseguimos vê-la?). Então, realmente, tem muito de sorte e de visitar o Pantanal na época certa também – no início da vazante e na seca, por exemplo, você tem maiores chances de ver os animais.

Nós passamos quase 10 dias no Pantanal e infelizmente não conseguimos ver nenhuma (mas vimos um monte de outros animais, como você pode conferir neste post do insta!).

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Monday Feelings (@mondayfeelings)

De qualquer maneira, o pantanal é muito mais do que onças pintadas e uma viagem para lá é garantia de entrar em contato com uma natureza deslumbrante e extremamente presente, com direito a avistamento de muitos outros bichos, como ariranhas, jacarés, cotias, além de centenas de espécies de aves.

Quem comamda é o Pantanal

Tucano voando embaixo da lua cheia

Além disso, o Pantanal tem seu próprio tempo. É um dos poucos lugares na terra em que o homem não tem controle. Como escreveu o grande poeta Manoel de Barros certa vez: “no pantanal ninguém pode passar régua”. Isso significa que a demarcação de terras não é possível, já que quem manda aqui é o Pantanal.

Basicamente, o ciclo das chuvas, e as estações chuvosas e secas fazem a experiência de viver no Pantanal muito difícil, a não ser que você entenda todas as peculiaridades daquela terra. Ou seja, quando você estiver lá, não tente forçar nada. Deixe o Pantanal te levar. Se você vir onça, fantástico! Se não, aproveite cada minuto da viagem de qualquer maneira.

Quando visitar o Pantanal

Tiago e Fernanda do Monday Feelings dando as mãos na beira de um lago com borda infinita vendo uma montanha e um penhasco

De maio a setembro: preferível para quem quer ver animais, já que esta é a época do início da vazante e da seca.

De fevereiro a abril: época da cheia e quando você tem mais chances de ver aquela típica paisagem pantaneira alagada – tenha em mente no entanto que, infelizmente, o Pantanal não está mais alagando como antigamente por conta do desequilíbrio ambiental.

De novembro a janeiro: época chuvosa. Evite se possível.

Dicas de Viagem ao Pantanal: o que levar para a viagem

Carro parado no acostamento com Tiago e Fernanda e dois amigos posando na estrada

  • Muito repelente (principalmente na época de chuva);
  • calça jeans;
  • camisa com proteção U.V. para quem é mais sensível ao sol;
  • tênis pra trekking;
  • chapéu ou boné;
  • protetor solar;
  • binóculo.

A natureza pantaneira é muito selvagem, então prepare-se para uma experiência bastante imersiva, em que há pouco controle do meio ambiente. Visitamos o Pantanal em abril e nos assustamos, por exemplo, com a quantidade de pernilongos. Os pernilongos são mais comuns na época de chuva e vazante e somem na seca, mas aí o problema se torna outro: os carrapatos.

Enfim, para visitar o Pantanal tem que estar disposto a aceitar e conviver com a natureza em sua forma mais pura – pra gente, valeu super a pena! De qualquer maneira, para sua viagem ao Pantanal (ou qualquer outra, na verdade) recomendamos que vá assegurado. Para isso, temos uma parceria com a Seguros Promo. É sem dúvida o buscador de seguros mais barato e confiável no mercado. Faça sua quotação aqui! Temos também uma parceria com a World Nomad, que possuem um atendimento ao cliente muito bom. Veja se vale a pena fazer seu seguro com a World Nomad aqui.

Turismo no Pantanal como forma de preservação ambiental

Muitas araras azuis em galhos de uma árvore

O Pantanal é uma região de enorme biodiversidade e que deve ser preservada para a manutenção de todo um ecossistema. Apesar disso a região tem sofrido duramente com os impactos do desequilíbrio ambiental. Totalmente dependente dos rios voadores do Amazonas, a maior planície inundável do planeta tem permanecido cada vez mais seca. Sinto decepcioná-lo, mas você dificilmente verá aquele Pantanal alagado que construímos no nosso imaginário coletivo.

Apesar das dificuldades, existem organizações e empresários seríssimos lutando para a sua preservação, como o Instituto Homem Pantaneiro, o Instituto Delta do Salobra (onde fica a fazenda Refúgio da Ilha) e o Onçafari. Todos são unânimes em dizer que o turismo pode ser um importante aliado nesta luta. Ou seja, se você quer ajudar a proteger o Pantanal, viaje para lá! Como nos disseram diversas vezes, “quem conhece algo, cria empatia e vira protetor”.

Macaco Bugiu subindo o topo de uma árvore

Viajar ao Pantanal não é uma escolha barata, mas para quem tem a possibilidade, não deixe de visitar. Vá lá, conheça, se conecte e vire um protetor. Mas atenção, pois em todos os lugares existem pessoas má-intencionadas, então tenha a certeza de estar reservando passeios, atividades e acomodações éticas, de propriedade de pessoas que estão trabalhando em prol da preservação do Pantanal. Aqui neste texto, indicamos algumas empresas que tivemos a oportunidade de conhecer de perto e que nos pareceram sérias e comprometidas.

Se você conhece outras empresas bacanas trabalhando pela preservação do Pantanal, conta pra gente. Certamente iremos entrar em contato e possivelmente adicionar neste artigo também.