Este post também está disponível em: enEnglish

Esse Guia de viagem Quênia foi criado baseado nas nossas experiências e na de amigos. Vivemos no Quênia por cinco meses (de janeiro a junho de 2015) e temos o maior carinho e respeito pela cultura e pessoas de lá. É uma pena que muita gente ainda tenha ideias tão erradas quanto ao continente africano e esperamos ajudar a esclarecer algumas dúvidas. Esse guia não contém informações específicas de lugares a serem visitados. Para isso, por favor ler 5 motivos para o Quênia ser o seu próximo destino!.

Tem alguma sugestão para o guia? Entre em contato com a gente! [email protected]

IDIOMA: Línguas faladas no Quênia

A maior parte da população das grandes cidades fala inglês e swahili, os dois principais idiomas, no entanto, no interior do país, é comum encontrar pessoas que falem apenas sua língua tribal (o Quênia é formado por ao menos 52 tribos). De qualquer maneira, todas as placas e sinalizações estão em inglês, o que facilita a locomoção pelo país.

Para saber mais sobre as tribos e história do Quênia, leia o nosso texto “Independência do Quênia: como foi a história

placa com erro gramatical de inglês no interior do Quênia

Placa em uma escola pública no interior do Quênia

TRANSPORTE: Como se locomover no Quênia

Há quatro maneiras principais de se viajar no Quênia: matatus, ônibus, pic-pics e táxis.

– Matatus

são simplesmente vans superlotadas. Elas são comandadas por associações privadas chamadas SACCOS (pequenas associações financeiras fundadas por pessoas para arrecadarem dinheiro).

Você as verá sempre muito lotadas, já que quanto mais gente, maior o lucro. Essa é a opção mais barata de se locomover dentro das cidades quenianas; mas o funcionamento dos matatus é confuso e descobrir qual pegar pode se tornar um desafio. No caso de dúvidas, pergunte a alguém. Os quenianos são sempre muito solícitos.

Os preços variam:

  • Dentro da mesma cidade: de 70 a 150 shillings quenianos (R$2,50 a R$6).
  • Intermunicipal: 200 a 1000 shillings quenianos (R$7 a R$35).

DICA: Esteja atento ao homem que trabalha dentro dos matatus como cobrador. Eles podem confirmar estarem indo para o lugar que você precisa somente para você entrar na van. Depois de ter pago a tarifa, eles dizem que mudaram o trajeto e pedem para você descer (no meio do nada) e pegar outro matatu. Também é comum ser cobrado muito a mais do que as outras pessoas por ser turista. Por isso, SEMPRE pergunte aos outros passageiros quanto a tarifa e direção! 

– Ônibus

também fazem parte de SACCOS. Eles são, obviamente, maiores que matatus e, portanto, mais lentos e baratos. Ônibus são melhores quando você estiver transportando coisas pesadas ou se não quiser viajar “espremido”. Além de mais lentos, eles também fazem mais paradas que os matatus.

– Pic-pics

são moto-táxis e nas cidades do interior podem transportar até 3 pessoas (além do motorista). Também é normal fazer a viagem sem capacetes. Na capital Nairobi, no entanto, não é permitido levar mais de um passageiro (e não insista, pois há grandes possibilidades de ser parado pela polícia e você acabará pagando uma multa).

Os pic-pics estão por todos os lados e são a melhor opção para evitar o trânsito caótico do Quênia. Os preços variam de 300 a 800 shillings quenianos (R$ 10 a R$30), dependendo do destino.

– Táxis

são os mais caros, mas os mais confortáveis também. Eles são uma boa alternativa quando precisar ir ao aeroporto (cerca de R$90) ou para viajar por Nairobi à noite (mais ou menos R$40). Obviamente o preço dependerá do trajeto.

quatro pessoas numa moto durante nossa Viagem Quênia

Tiago, Esther, Dorkas e o motorista do pic pic

BANCOS/CAIXAS ELETRÔNICOS: Como sacar dinheiro durante uma viagem no Quênia

Você encontrará bancos e caixas eletrônicos que aceitam cartões internacionais por todo o Quênia, inclusive nas cidades do interior. Também é fácil tirar dinheiro nas fronteiras.

DICA: Cuidado ao entrar ou sair do Quênia/Tanzânia pela cidade costeira de Lunga-Lunga. Nessa região não há caixas eletrônicos e o mais próximo fica  a 70km. Então, se você estiver cruzando a fronteira entre Quênia e Tanzânia por essa costa, leve dinheiro! Saiba mais aqui.

PREÇOS: Quanto custa viajar pelo Quênia

O Quênia é um país relativamente barato se comparado à maioria dos países europeus. Uma refeição básica em restaurantes locais pode ser encontrada por R$10 e um jantar em um restaurante super chique por R$110.

DICA: à parte dos poucos lugares em que há preço fixo no Quênia, você pode negociar para absolutamente tudo e esperar que o preço caia pela metade. Além disso, todas as pessoas que não têm a pele negra são chamadas de “Mzungus” (originalmente para se referir aos britânicos). Nós, particularmente, não gostavámos de ser chamados assim, mas esta não é uma palavra propriamente negativa. O problema é que para muitos locais, ela significa dinheiro, então vá preparado para ser explorado financeiramente para quase tudo. 

ACOMODAÇÃO: Onde se hospedar no Quênia

Não há muitos hostels no país, já que são poucos os mochileiros se aventurando pelo Quênia. No entanto, você pode encontrar ótimos hostels na praia, particularmente na costa sul, em Diani Beach. Nós recomendamos o South Coast Backpackers em Diani Beach – Ler o nosso texto Mochilando pela África.

Hotéis, por outro lado, são facilmente encontrados e estão por todos os lados. Apenas atenção ao fato de que, por alguma razão que desconhecemos, em muitos lugares, restaurantes são chamados de “hotel” e hotéis são chamados de “lodges”. É um pouco confuso. rs.

*Encontre o seu hotel no Quênia aqui

piscina no Diani South Coast Backpackers Hostel

Piscina no hostel South Coast Backpacker, em Diani Beach

COMIDA: Pratos típicos do Quênia

Alguns dos pratos mais tradicionais do Quênia:

  • Ugali: parece um arroz empapado, mas é feito com farinha de milho. A tradição diz para comer com as mãos;
  • Sukuma Wiki: couve refogada com tomate. “Sukuma wiki” significa “o empurrão para a semana”;
  • Githere: uma mistura de feijão, tomate e milho;
  • Chapati: tipo de pão sem fermento;
  • Chicken; lamb (frango, carneiro): grelhado, frito ou cozido. Delicioso!
  • Mandazi: para comer no café da manhã, é parecido com um doughnut.
  • Pili pili (piri piri para alguns): pimenta boa e forte para comer com praticamente tudo!

DICA: Na região costeira, você irá encontrar uma incrível variedade de frutos do mar – sem contar que a preços bastante acessíveis.  Não esqueça de provar o delicioso e tradicional arroz Swahili com leite de coco. Já nas proximidades do Lago Victoria é mandatório experimentar a tilápia! Um dos melhores peixes que comemos na vida. Recomendamos a cidade de Kisumu para quem estiver explorando essa parte do país – além de ser a cidade de origem do ex presidente dos EUA Barack Obama.

Tiago fazendo churrasco de frango durante nossa Viagem Quênia

Churrasco de frango no Quênia

Atenção: É recomendável viajar somente pela costa sul do país devido à proximidade da costa norte com a Somália e a situação de conflito com o grupo terrorista Al-Shabaab (informação atualizada em junho de 2018). 

AS PESSOAS: hospitalidade queniana

Os quenianos são extremamente simpáticos e acolhedores. O assédio a turistas não é como no Egito ou Índia, mas é verdade que as vezes você poderá se cansar com o número de pessoas se aproximando para conhecê-lo. De qualquer maneira, a maioria das aproximações é feita de forma respeitosa. Caso alguém comece a incomodar, um pedido direto de “por favor, me deixa em paz” basta.

Os quenianos estão sempre dispostos a te ajudar, mas cuidado com pessoas insistindo muito, elas podem estar interessadas em ganhar um “trocado”.

MULHERES VIAJANDO SOZINHAS PELO QUÊNIA: baseado no relato de outras viajantes

O Quênia é um país relativamente machista, mas os homens não são desrespeitosos com as mulheres. É comum ouvir pessoas dizendo que gostariam de ter uma “mulher mzungu”, por exemplo, e eles podem ser bem “chavecadores”. Se qualquer aproximação te incomodar, mais uma vez, um firme “não” irá servir para que parem com a brincadeira.

CRIMINALIDADE: O Quênia é seguro?

O Quênia é sim um país para se tomar cuidado, mas não é tão perigoso como as pessoas imaginam. Moramos lá por cinco meses e nunca presenciamos nenhum tipo de perigo. É verdade que ficávamos no interior do país, mas costumávamos ir à Nairobi regularmente e não nos sentíamos mais inseguros do que em São Paulo por exemplo.

Fique tranquilo, pois se tiver bom senso e tomar os cuidados necessários como ficar de olho nos seus pertences e não andar por áreas não recomendadas e sozinho, nada de ruim deverá acontecer.

VISTO – entrada no Quênia

Transitório: US$ 20 e é válido por 3 dias.

Visto de Entrada Único: a partir de 1 de setembro de 2015 todos os países da Europa e a maioria do continente americano necessitam aplicar para o visto online (formulário de aplicação aqui: http://evisa.go.ke).  A emissão do visto pode levar até 7 dias, custa US$50 e é válido por 3 meses.

Entrada múltipla: mesmo processo que o Single Entry, mas custa US$ 100 e também é válido por 3 meses.

Visto para a África Oriental: US$100. Ótima opção para aqueles que pretendem viajar por Uganda, Ruanda e Quênia, já que permite transitar por esses países sem custo adicional.

VOCABULÁRIO: palavras básicas em Swahili 

  • Hi – Jambo
  • What’s up? – Habari gani?
  • How much is it? – Pesa ngapi?
  • Toilet – Choo
  • Good bye – Kwaheri
  • Ok – Sawa
  • Do you speak English? – Una ongea Kizungu?
  • Thank you – Asante
  • Thank you very much – Asante sana
  • Por favor – tafadhali
  • Qual é o seu nome – jina lako nani?
  • Meu nome é – jina lango …
  • 1 – moja
  • 2 – mbili
  • 3 – tatu
  • 4 – nano
  • 10 – kumi

MINI ITINERÁRIO DE VIAGEM SUGERIDO (2 semanas)

Nairobi (2 dias) – Nakuru, lago Naivasha (Hell’s Gate – 2 dias) –  Kisumu (2 dias) – Nairobi (Maasai Mara – 3 dias) – Mombasa (Praia de Tiwi e Diani – 5 dias).

  • Espero que o nosso Guia de Viagem Quênia seja útil para o seu planejamento. Qualquer dúvida, feedback ou informação que gostaria de nos passar, é só deixar nos comentários ou entrar em contato pelo e-mail. Boas viagens!  

*Texto escrito em julho de 2015 e atualizado em junho de 2018.