Este post também está disponível em: enEnglish

A Coreia do Sul é um país relativamente caro, principalmente para viajantes de baixo orçamento – como nós. O preço de comida e transporte, por exemplo, é o mesmo de alguns países europeus; no entanto, é quando se trata de hospedagem na Coreia do Sul que a coisa fica feia…. aqui, uma cama em um hostel (dividindo quarto com outros) sai por no mínimo US$18/20 por pessoa. Sim, isso mesmo que você leu.

Mas calma que para tudo há uma solução, e na Coreia ela se chama “Jjimjilbang”!

Sauna de uma jjimjilbangs que dormimos na Coreia do Sul

Saunas mistas na sala comunal de uma das Jjimjilbangs que nos hospedamos

O que são as Jjimjilbangs

As jjimjilbangs são as tradicionais saunas públicas coreanas, extremamente populares entre os locais. Você paga entre 8.000 a 10.000 Won (7 a 9 dólares) para usar as facilidades da sauna e ainda pode passar a noite lá.  Essa é uma ótima alternativa, inclusive muito utilizada pelos próprios coreanos, para gastar pouco com acomodação na Coreia do Sul.

As jjimjilbangs são uma delícia pois têm piscinas com diversas temperaturas, saunas, cadeiras de massagem, área de esfoliação e diversos chuveiros. Ah, mas atenção, que para entrar nas saunas e piscinas tem que ir peladão/ona, rs. Então é cada um no seu quadrado: homens e mulheres são separados e todo mundo pode ficar à vontade. Mas a gente já te explica isso melhor.

Cadeiras de massagem em uma jjimjilbang, alternativa barata de hospedagem na Coreia do Sul

As cadeiras de massagem da sala comunal. Preço: 1000 Won / US$1

E como dormir em uma Jjimbilbang?

Além das saunas, o complexo conta com uma área comum (onde homens e mulheres podem ficar juntos – vestidos, claro), onde fica o restaurante, televisão, sala de jogos, biblioteca e mais saunas mistas. É nessa ampla sala comum que as pessoas dormem. Cada um pega uma esteira, uma espécie de travesseiro e se ajeita como e onde puder.

Esteiras e travesseiros em uma jjimjilbang para as pessoas dormirem na Coreia do Sul

TV, esteiras e travesseiros na sala comunal

Não vá esperando nada turístico e nem ninguém para dar explicação em inglês. As jjimjilbangs são utilizadas pelos coreanos e quase não há turistas por lá (na verdade não vimos nenhum durante toda a nossa viagem).

Pessoas dormindo em uma Jjimjilbang na Coreia do Sul, uma forma de se hospedar barato no país

Cada um dorme onde e como quiser na sala comunal das Jjimjilbangs

Nossa experiência utilizando as Jjimjilbangs como hospedagem na Coreia do Sul

Nós nos hospedamos em quatro jjimjilbangs (em Seul ficamos na casa de um amigo, mas nas outras cidades que visitamos na Coreia do Sul, nos hospedamos nas saunas públicas), todas eram relativamente limpas e boas. As pessoas são simpáticas e não sentimos perigo ao deixar nossos mochilões na recepção ou sozinhos na área comum.

Tivemos apenas uma situação chata, em uma sauna na cidade de Pohang. A Fê estava em uma das piscinas quando uma das trabalhadoras do local a chamou. Ela foi lá e a mulher mandou deitar na maca e começou a fazer uma esfoliação completa (a qual a Fê não contestou e achou ótimo, sentindo a maior gratidão pela hospitalidade local). Eis que ao final, a mulher vem com a conta: quase 20 dólares! Nos recusamos a pagar porque não tínhamos noção de que aquilo era um serviço. A mulher mentiu que a Fê a tinha chamado, foi o maior rolo. Baixou até polícia, mas no final ficou tudo bem resolvido (o policial deu bronca na mulher e acabou pagando ele mesmo pela esfoliação – nós tentamos impedi-lo, mas não teve jeito). De qualquer maneira, é bom ficar esperto. Apesar do lugar não ser nada turístico, sempre tem alguém que enxerga estrangeiro como uma possibilidade de ganhar dinheiro fácil.

Passando a noite em uma Jjimjilbang, uma ótima alternativa para economizar com hospedagem na Coreia do Sul

Os únicos turistas por lá

Como funcionam as Jjimjilbangs

As jjimjilbangs são muito populares entre os coreanos e estão relativamente cheias durante todos os dias, o tempo inteiro. É tudo muito simples: você chega, paga, pega uma chave, uniforme e toalha, tira o sapato, coloca os pertences em um cofre na recepção e vai para o seu respectivo andar (ou seja, mulher para um lado e homem pro outro).

No seu andar, irá encontrar mais armários para guardar o que precisar. Para entrar na área das piscinas e saunas, você tem que ir sem roupa alguma e é mal visto tentar entrar vestindo alguma coisa – segundo a etiqueta, como as casas de banho são públicas, é importante mostrar que você não está tentando esconder nenhuma possível doença ou infecção.

Antes de entrar em uma das piscinas, é bom tomar uma super ducha e esfoliar o corpo (ao menos na ala feminina, já que na área masculina parece que essa rotina não é tão rigorosa). Quem tem cabelo comprido deve prendê-lo. Bom, depois disso, é só aproveitar. Eles geralmente fornecem sabonete, pasta de dentes e outros produtos, mas por garantia é bom levar o seu.

Dormindo em uma jjimjilbang como opção de hospedagem na Coreia do Sul

O interior de uma sauna seca localizada na área comum

Depois de aproveitar a sauna, é só se dirigir para a área comum, onde você pode comer alguma coisa no restaurante, assistir uma TV ou apenas encontrar um canto para dormir. É tudo muito simples, a única parte negativa com certeza é o festival de roncos. Como não tem colchão macio, todo mundo acaba dormindo de barriga para cima, e aí já viu, né? Tem que torcer para não ser acordado pelo ronco alheio…

As jjimjilbangs são uma ótima alternativa de hospedagem na Coreia do Sul

Nossa cama de casal em uma das Jjimjilbangs

Encontrando uma jjimjilbang para se hospedar na Coreia do Sul

Como quase não há informações em inglês na internet, é um pouco difícil encontrar uma jjimjilbang. O que fazíamos, ao chegar em uma cidade, era perguntar nos Centros para Turistas que estão espalhadas por todos os cantos da Coreia, ou a qualquer pessoa que encontrássemos na rua.

Como explicamos, as casas de banho são muito populares e quase todos os locais sabem onde encontrá-las. Pergunte por uma “jjimjilbang” ou “steam house” e certamente alguém irá te ajudar.

*Texto originalmente escrito em dezembro de 2016 e atualizado em fevereiro de 2018.